Correção de cicatrizes

Cicatrizes fazem parte da vida de quase todo indivíduo. Elas podem ser pequenas e quase inaparentes, ou extensas e de má qualidade, trazendo diversos transtornos ao paciente acometido.

 

Existem opções cosméticas para se tentar melhorar a qualidade da cicatriz, deixando-a mais fina e clara. Um engano comum é achar que o cirurgião plástico “tira” a cicatriz. Infelizmente isso não é verdade. Gostaríamos poder retirar as cicatrizes das pessoas, mas isso ainda não é possível. O que fazemos é tentar melhorar seu aspecto. Isso pode ser feito, por exemplo, ressecando a cicatriz que está espessa, escurecida ou mal posicionada e tentando deixá-la em uma posição mais escondida e deixando-a com uma melhor qualidade. Para isso, tentamos sempre fazer as cicatrizes respeitando as dobras naturais da pele, suturando com material apropriado e obedecendo as premissas necessárias para se ter uma boa cicatrização.

 

Existem ainda outros tipos de cicatrizes patológicas, entre elas, o quelóide, em que a cicatriz “cresce” além de seus limites inicais, podendo apresentar coceira, dor e incomôdo local. Eles requerem um tratamento mais cuidadoso devido à tendência do indivíduo em evoluir com essa cicatrização. Ou seja, mesmo se retirado completamente, há probabilidade de um novo quelóide aparecer no local, o mesmo podendo acontecer com novos ferimentos.

Uma confusão comum é acreditar que qualquer cicatriz mais espessa e escura é um quelóide. Isso não é verdade. É necessária uma avaliação detalhada da lesão pelo seu médico para poder classificá-la.